Alice Maria conta sobre ela e o João Basilio

Aqui está bem contada a história dos primeiros tempos da familia Basilio, puxada da memória de Alzira, João Basilio, Alice Maria e Lúcia.
Gilberto Melo
Mensagens: 107
Registrado em: Qui 26 Mai 2005 9:45 pm
Localização: BH-MG
Contato:

Alice Maria conta sobre ela e o João Basilio

Mensagem por Gilberto Melo »

Ouçam o que a Dona Alice contou e gravamos na viagem para Divinópolis, no dia 14/06/2009. Se preferirem ler ao invés de ouvir, segue o texto:

Enquanto viajo para o encontro em Divinópolis vou contar a nossa história. O sobrinho do meu pai morava aqui em Belo Horizonte. É primo meu, sobrinho do meu pai. Eles moravam aqui em Belo Horizonte, aquela época que pessoa que servia o exército tinha que servir 3 anos. E ele tinha que ir, mas a minha tia falou:

- Oh, se São Sebastião ajudar que ele, depois que ele for servir o exército, eles vê que tem excesso de contingente, ele podia ser dispensado.

Mas ele já tava disposto a servir o exército, já... Já tava definido, mas na última hora lá no lugar, eles falaram que não ia precisar dele não porque tava com excesso de contingente, que ele podia vir embora. Então, a tia tinha feito uma promessa de ele ir com a imagem de São Sebastião lá no Cercado, que agora chama Nova Serrana. Nesse meio, antes, eles passaram na casa que eu morava, na pensão da minha tia. E eu passando roupa, com aquele cabelão grande, aquela trançona, e passando roupa e ele tocando um banjo, e balançando o corpo e cantando:

- Baiana que entra no samba só fica parada, ninguém se incomoda, ninguém vale nada, deixando a moçada louca... aquela baiana que dança direitinho, que mexe, remexe com a mão na escadeira, deixando a...

Ah, eu esqueci... esqueci esse pedaço... também, tô velha. Mas, ah, deixa pra lá. Aí ele começou a cantar “Baiana” e eu tinha o apelido de baiana, vestido de babado e de trança, tinha mesmo o tipo de baiana mesmo e ele ficou meio assim entusiasmado e... e eu tb. Isso ele vai lá pra Divinópolis... ele foi lá pra Cercado.

Lá no Cercado eles cumpriram a promessa e foi prum lugar lá chamado Moitinha e ele arranjou outra menina lá, assanhada, que eu, minha tia não deixava eu nem chegar perto de homem nenhum. Era só por a comida na mesa e sair correndo. Mas como eu era muito tímida, não conversei com ele depois que ele chegou, que ele conheceu essa tal de Gumercina, que era uma filha de fazendeiro lá, mandou arrear o cavalo pro João montar. Aí ele comprou um terno de brechó, porque ele não tinha condições de comprar um terno novo pra ir na casa do futuro sogro, pedir um casamento, muito assim, derrubado, né... mostrar que ele era um homem... num era pobre, né, tão pobre... pro sogro dele achar que podia entregar a filha pra casar.

Aí, lá em Nova Serrana, naquele outro lugar que eu falei... Moitinha. O terno era tão velho que ele, montando no cavalo, a calça partiu bem na bunda. Aí ele já tinha deixado dentro do banjo dele uma cueca, já tava usada. E eu naquela sensação - Meu Deus, eu não vou poder ficar nessa vida de empregada na casa dos outros toda vida, não....

E meu tio disse que ele tava namorando a irmã dele, do meu primo... mas ele gostou mais do meu jeito... trabalhando, caladinha, de cara fechada [risos], prestando atenção neles tocar, fazendo o maior sambão na pensão. Aí quando eles foram prá Moitinha ele arranjou essa namorada que ele andou de cavalo com ela, Gumercina, e ficou gostando dela, mas... passa tempo. Mas ele tava pensando em mim também. Aí eu falei assim:

- Ô, João...”. (Caçar papo com ele sem a minha tia ver, uma escapulidazinha assim, ela xingava).

- Ô, João, cê ficou queimado, cê tomou muito sol lá?

Nesse prazo, que ele tava pra lá prá Moitinha, o pai da Gumercina foi lá pra pensão do tio Zezinho e falou assim:

- Oh Dona Virgínia, passou aqui na pensão da senhora um tal de João Mariano?” Que é o meu primo, né... “E João Basílio e Samião?

Que tinha outro também, o Raimundo. O Samião era um pretão bom pra cantar e tocar, mas num tinha... ele calçou, cortou o sapato porque não tinha sapato. O sapato tava machucando, fez chinelo do sapato e foi com o sapato no lugar do chinelo. E tudo aquela alegria, aquela satisfação de tá fazendo o passeio os três amigos... e eu de ouvido em pé, né... Falou assim:

- Não há de ver que a minha filha tava doida pra arranjar um namorado, a Gumercina, e ela gostou muito do João Basílio, andou na garupa com ele, o cabelo dela voava longe. E foi muito bacana, fez a promessa, arranjou a namorada lá...

E eu já fiquei danada da vida, falei assim:

- Já tem outra pretendente pro João, agora vamos ver o quê que vai acontecer.

Aí... eu fiquei calada e eu escutei o caso tudo. Depois eu fiquei doida que o João chegasse, quando o João chegou eu falei:

- Mas cê tá queimado, cê tomou muito sol lá? Cê quer tomar um banho agora, cê tá cansado...

Aí ele já deu brecha pra mim conversar com ele um pouquinho, a minha tia tava bordando. E desse ponto eu já lavei a cueca dele, lavei a roupa que ele tinha de lavar, coloquei no lugar pra ele, tudo direitinho já... Puxando, mostrar as qualidades, né... pra ele. Tá bom. Então depois ele almoçou, foi lá pra rua, ficou olhando... eu fiquei na janela e o número tava pra cima da minha cabeça no muro do lado de fora. Rua Minas Gerais, 186. Mas ele olhando, eu falei assim:

- O quê que foi, João?

Ele falou assim:

- Não, eu tô aqui olhando o número daqui, porque por acaso se eu quiser escrever pra cá eu to com o número daqui.” [risos].

Aí eu gostei, falei assim: - Tá bom, bom sinal, mas vamos ver se é a filha do fazendeiro ou se é uma empregada.

Aí passou, ele veio pra Belo Horizonte e escreveu uma carta pra mim pedindo uma foto e mandando uma foto dele. Depois sumiu o João. Ficou mais de um ano sem ele comunicar comigo. Foi em 1947 que eu casei. Então, arranjou outra namorada, brigou com a namorada. Falou assim:

- Tem que ser com a Alice mesmo, porque essas meninas aqui de Belo Horizonte elas quer só quer fazer brincadeira com a gente. E eu quero agora, preciso de casar pra sentar minha cabeça, que ajuda eu controlar... me ajuda. Se ela topar morar com a minha mãe, com a minha irmã, tudo junto, tá tudo bom. Mas tá dependendo disso agora. Deixa dar um prazinho aqui.

Depois passou um ano e dois meses e eu já tinha até esquecido dele, como é que ele era. Quando é fé, ele apareceu. Depois um ano e dois meses, ele telefonou e falou que ia lá em Divinópolis pra ver como é que eu tava. Ele telefonou, eu tava de pneumonia, minha prima apresentou pra ele como se fosse eu. E ele falou:

– É você, Alice?
– Sou eu mesma
– E como é que cê tá, cê tá com namorado aí?
– Não, uai, pois cê sabe como é que é, minha tia é muito nervosa, ela acha que tem muita responsabilidade comigo, porque o pai entregou eu pra minha tia e ela não deixa eu olhar pra ninguém. Num tenho namorado, não.

Aí ele falou assim

– Oh, é porque se ocê, se num tiver compromisso aí, eu vou aí pra nós ir na roça pra pedir casamento o seu pai. Pedir a mão sua pro seu pai.

E o meu primo foi comigo, o Dejair, pra servir de companhia, porque nós tinhamos que andar de trem, acho que umas duas horas de trem, tinha que andar três quilômetros pra chegar até na casa do meu pai. Chega lá, eu morrendo de medo, porque eu tinha avisado só minha mãe. E o pai, eu com medo, mas foi muito carinhoso e muito bom, recebeu ele com o maior carinho e já gostou muito. Falou:

- Oh, se a minha filha tiver querendo casar, que até hoje ela nunca namorou, tá às ordens, porque parece que ocê é um bom rapaz.

Aí o pai descascando umas canas e dando pro João chupar, debaixo dos pé de laranja, chupando laranja, batendo papo os dois lá, né, eu num fui não. Na Ripa o pai descascando cana, descascava laranja, dava pra ele chupar. E depois deixou tratado. Aí meu avô pegou, falou assim, tava muito velhinho, e falou assim:

- E pra quando é esse casamento? Pode fazer pra 15 dias?

15 dias de prazo pra arrumar. Aí eu mais o João falou, nós já tava junto, eu falei assim:

- Não, 15 dias num dá, porque tem que correr papel em Belo Horizonte, tem que correr papel aqui, precisa ter mais prazo.

Aconteceu que depois que eles resolveram, já acertou as conversas que eles queriam falar, já tinha falado, tinha marcado meu casamento pra dia 15 de julho e quando tá pra casar no interior, no interior brabo mesmo, ia casar 5 moças é um absurdo, porque lá tinha missa só uma vez por ano. Como ia casar 5 moças, eu ia casar lá na roça, mas quando tava faltando 15 dias pro nosso casamento, aí o meu avô faleceu. Meu avô faleceu e eu resolvi não querer casar no interior, porque ia gente de Belo Horizonte pra lá, madrinha de casamento e o pessoal de Belo Horizonte ia, minha sogra e cunhada.

Eu vim aqui em Belo Horizonte, foi aí que eu conheci minha sogra, minha cunhada, as duas cunhadas, pra adiar o casamento. Ao invés de ser mês de julho, marcou pro dia 11 de setembro de 1947. E assim foi realizado, foi tudo muito bem, com muita alegria e a gente ressabiado, porque eu não conhecia ninguém quase dele, nem conhecia ele direito também. Mas, finalmente, graças a Deus, Deus pôs a mão sobre nós dois, e nós casamos, nós nos vimos 4 vezes e casamos e nunca brigamos, nunca teve um falar alto com o outro. Vivemos, criamos, tivemos 11 filhos, 10 homens e uma mulher e nunca teve problema, sempre aceitando tudo que Deus dava e achando que tava tudo muito normal. Morando, passando certos apertos, porque ele tava desempregado, mas num faltou nada, porque o que podia faltar era o Amor, mas o Amor que nós amou, um Amor mandado por Deus.

Nós realizamos uma vida muito boa, muito abençoada e tivemos filhos ótimos, que é muito difícil hoje a pessoa ter uma vida igual eu tive, sofrida, e Jesus mandou um ótimo marido, não marido, um esposo muito bom, muito carinhoso e tudo que ele podia fazer pra fazer a gente feliz e os meninos, criou os filhos tudo com todo prazer e agora encerrou assim. Acabou a filha de uma doméstica, eu criei os meninos, um bocado é engenheiro, outro é advogado, outros é dançarino, outro já tá cantando até na rádio e eu estou realizada, mas tem um problema, que a agente não esquece 58 anos dormindo junto e sem nunca brigar um com o outro e isso tem que agradecer a Deus, porque isso hoje em dia tá muito difícil.

Mas eu estou muito satisfeita, porque eu tenho excelentes filhos, que eu ainda clamo um pouco, só mesmo a falta dele, mas ele tá num bom lugar, que ele trabalhou muito pra Deus, deixou exemplo, de todos filhos conhecer Deus, ter Fé em Jesus. Mas agora eu num vou contar mais nada não, porque eu já contei bastante, já tomou bastante tempo. Muito obrigada, gente, quem quiser ouvir [risos], eu tô aqui é rindo, rindo do trabalho da minha neta que tá aqui me ajudando, meu filho, que toma tanto trabalho, incentiva a família, fica pelejando pra juntar a minha família com a família do pai dos meus filhos. Muito obrigada, um beijo pra todo mundo. Um abraço.